As algas marinhas são organismos fotossintetizantes, que vivem predominantemente nos oceanos e contribuem significativamente para a produção do oxigênio disponível.

Ao contrário do que diz o senso comum, as florestas não são principais geradores de oxigênio do planeta, mas sim as algas, que produzem cerca de 55% (Fonte: Ecologia, de Ramón Margalef) de todo O2 do planeta. Os benefícios das algas marinhas não param por aí, elas também servem como abrigo para inúmeros animais marinhos, tendo assim um grande papel no ecossistema.

As algas têm um valor inestimável para a humanidade, pois consome o gás carbônico para fazer fotossíntese, e produzem oxigênio para a respiração de toda a fauna.

Principais tipos de algas

  • Microalgas ou algas unicelulares

As microalgas crescem em ambiente aquáticos (água doce ou salgada), sua classificação é um pouco complexa pois apresenta características tanto de animais como de vegetais.

As microalgas representam diversos processos inovadores para a geração de produtos biotecnológicos e energia de forma sustentável.

  • Macroalgas Marinhas

São divididas em três grandes grupos: algas verdes, pardas e vermelhas.

Mais populares por serem maiores e visíveis a olho nu, possivelmente encontradas nas rochas, podendo, no entanto, crescer na areia, cascos de tartarugas, recifes de coral, raízes de mangue, cascos de barcos, pilares de portos, mas sempre em ambientes com a presença de luz e nutrientes.

Os oceanos são hoje a grande fronteira da biodiversidade, do clima e dos recursos minerais.

Afinal, 70% do planeta é coberto de água e todos os oceanos são habitados por algas microscópicas produtoras de oxigênio. Mas é claro que isso não anula a importância ecológica das florestas! A Amazônia é a grande responsável pelo equilíbrio climático do mundo. As plantas nela encontradas tem como seu principal objetivo fazer a fotossíntese. Liberando então moléculas de água na atmosfera, possibilitando a formação de grandes nuvens de chuva na região. Se a Floresta Amazônica acabasse, implicaria consequências sem precedentes: 20% da quantidade de água doce na Terra, presente nos rios amazônicos, sumiria do mapa, além da extinção de quase metade das espécies de plantas e animais do planeta, causaria desequilíbrios climáticos.

Por isso devemos manter um olhar atento para nosso meio ambiente, preservar as florestas e os mares, pois precisamos deles para respirar e viver.